O câncer do intestino grosso, também chamado de câncer de cólon, é o quinto câncer mais comum no Brasil, atrás dos cânceres de próstata, mama, pulmão e colo uterino. A maior parte dos cânceres de cólon é esporádica, isto é, não há uma causa específica causadora. Fumo aumenta discretamente a chance de se ter câncer de intestino, assim como obesidade e falta de exercícios físicos.

Felizmente existem hoje métodos de rastreamento capazes de detectar o câncer de cólon em estágios iniciais: a colonoscopia ou o exame de sangue oculto nas fezes. Veja aqui uma matéria sobre o rastreamento do câncer de intestino e aqui outra matéria sobre todos os rastreamentos para câncer disponíveis.

O principal tratamento do câncer de cólon é a cirurgia, que pode, ou não, ser complementada com quimioterapia, dependendo do tamanho da doença. A quimioterapia também pode ser utilizada antes da cirurgia para reduzir o tumor, e assim facilitar a cirurgia num segundo momento.

Até os anos 2000, existia apenas um medicamento eficaz no tratamento do câncer de cólon, conhecido com 5-Fluorouracil. De lá para cá, diversos outros medicamentos foram desenvolvidos, aumentando a chance de cura e o tempo de controle da doença em pacientes que não podem ser curados. Dentre as quimioterapias tradicionais, hoje dispomos de medicamentos como a Oxaliplatina (nome comercial Eloxatin), o Irinotecan (nome comercial Camptosar) e a Capecitabina (nome comercial Xeloda, que é um medicamento em comprimidos). Além dos anticorpos contra fatores de crescimento como o Cetuximab (nome comercial Erbitux) e o Panitumumab (nome comercial Vectibix).

Desde os anos 2000 muitos novos medicamentos foram desenvolvidos para o tratamento do câncer de intestino.

Desde os anos 2000 muitos novos medicamentos foram desenvolvidos para o tratamento do câncer de intestino.

Mais recentemente, os cientistas identificaram que o câncer de cólon estimula a formação de novos vasos sanguíneos. Esses novos vasos levam mais sangue e nutrientes ao tumor, aumentando assim seu crescimento. Os médicos e cientistas, então, desenvolveram vários medicamentos com o objetivo de bloquear esse crescimento, sendo o primeiro deles o Bevacizumab (nome comercial Avastin). Recentemente, outros dois medicamentos aplicados na veia foram desenvolvidos, o Aflibercept (nome comercial Zaltrap) e o Ramucirumab (nome comercial Cyramza). Além de um medicamento em comprimidos, o Regorafenib (nome comercial Stivarga).

No video abaixo é representado o mecanismo de ação dos medicamentos que inibem a formação dos vasos sanguíneos.

Nenhum destes medicamentos é extremamente eficaz se usado sozinho. O próprio mecanismo de ação dos remédios não é de atacar o câncer em si, apenas diminuir a quantidade de sangue que chega ao tumor. Logo, eles são usados geralmente em combinação com a quimioterapia, aumentando assim o efeito desses medicamentos, a chance de cura e o controle do câncer de cólon.

Gostou da matéria? Visite aqui nossa página no Facebook. Não esqueça de curtir a página para saber de todas as atualizações do blog! Compartilhe essa informação com alguém que possa estar precisando dela!

Deixe uma resposta