O câncer de cabeça e pescoço é um conjunto de doenças da via respiratória e digestiva superior (incluindo lábio, língua, faringe, laringe, cavidade nasal e glândulas salivares). Doenças aparecendo nestas localizações têm algumas semelhanças, a primeira é que se originam do mesmo tipo de célula, a célula da pele que recobre essas partes do corpo. A segunda semelhança é quanto aos fatores de risco. Existem aqui dois grupos, as doenças relacionadas ao fumo e ao álcool e as doenças relacionadas à infecção pelo vírus HPV (mais comum na língua e orofaringe).

O tratamento segue o mesmo princípio para todas estas partes do corpo, independe se a causa foi o cigarro ou vírus HPV. Quando a doença é detectada em estágio precoce, e está pequena, o tratamento é feito com cirurgia para a retirada do tumor. Quando a doença está maior, ou há comprometimento dos gânglios do pescoço, o tratamento pode ser feito tanto com cirurgia quanto com quimio e radioterapia juntos. Nesta situação é importante a avaliação conjunta do cirurgião, do oncologista e do radioterapeuta, para determinar a melhor forma de tratamento.

Existem situações onde a doença já saiu da região da cabeça e pescoço e alcançou órgãos a distância, normalmente usando os vasos sanguíneos para se espalhar para locais como o fígado ou o pulmão, é o que chamamos de doença metastática. Neste caso não há a possibilidade de fazer um tratamento que elimine a doença por completo. É feito então o tratamento com quimioterapia, que é administrada na veia e chega a todos os locais do corpo, com o objetivo de diminuir o tumor e controlar seu crescimento pelo maior tempo possível.

O tratamento com quimioterapia mais utilizado nestes casos são combinações de dois ou mais medicamentos, sendo sempre um deles uma platina (Cisplatina ou Carboplatina, leia uma matéria sobre os tipos de tratamento do câncer). O tratamento é repetido até que ele pare de funcionar, ou que não haja mais doença visível, ou que a pessoa esteja cansada, visto que podem ter esses efeitos colaterais. Quando o medicamento para de funcionar ele é trocar por outro, o que chamamos de segunda linha de tratamento.

Um estudo recente comparou Nivolumab, um estimulador do sistema imunológico (veja aqui uma matéria sobre essa classe de medicamentos), com vários tipos de tratamentos, aplicados na segunda linha. Nivolumab teve um resultado melhor em controlar a doença do que qualquer dos outros medicamentos utilizados e com menos efeitos colaterais.

 

Linfócito T - Uma das células do sistema imunológico responsáveis pelo ataque aos cânceres

Linfócito T – Uma das células do sistema imunológico responsáveis pelo ataque aos cânceres

Este medicamento não age diretamente no câncer, ele age estimulando a célula do sistema imunológico. Esta célula de defesa, quando ativada, procura e destrói o tumor. Isto tem se mostrado útil no tratamento de diversos tipos de câncer com o câncer de pulmão (leia aqui), rim (leia aqui), melanoma (leia aqui) e agora no câncer de cabeça e pescoço.

Esta é uma nova classe de medicamentos com grande potencial em oncologia, nos últimos anos temos visto resultados promissores no tratamento de diversas doenças. É provável que vejamos resultados como estes em diversas outras doenças no futuro próximo.

Gostou da matéria? Visite aqui nossa página no Facebook. Não esqueça de curtir a página para saber de todas as atualizações do blog! Compartilhe essa informação com alguém que possa estar precisando dela!

Deixe uma resposta