Quando se inicia o tratamento contra o câncer é comum surgirem várias dúvidas quanto aos efeitos dos medicamentos, os efeitos colaterais, a qualidade de vida e restrições que têm que ser feitas neste período. Leia aqui uma matéria completa sobre como se preparar para o tratamento.

Algumas das palavras e termos usados nestas situações descrevem situações bem específicas do tratamento contra o câncer, podendo gerar dúvidas. Um destes termos é o ciclo de quimioterapia.

Conhecer detalhes sobre o esquema de medicamentos é importante para o sucesso do tratamento.

O ciclo da quimioterapia se refere ao número de aplicações e intervalo entre duas doses de tratamento. Por exemplo, em alguns casos de câncer de pulmão fazemos seis ciclos de tratamento, com dois medicamentos contra o câncer, a cada 3 semanas, ou seja, cada ciclo de quimioterapia é feito em intervalos de 21 dias, num total de seis vezes.

Este intervalo é importante para que corpo se recupere dos efeitos colaterais do medicamento. A repetição do tratamento é necessária para que se mantenha a doença em controle, ou para se intensificar e aumentar a chance de cura, quando o tratamento é feito após a cirurgia. O intervalo entre duas doses de tratamento varia de acordo com o medicamento e de acordo com a doença que se está tratando. Por exemplo, o medicamento paclitaxel é feito uma vez por semana, o medicamento fluorouracila pode ser feito por 2 a 5 dias continuamente na veia, medicamentos como a cisplatina são feitos a cada 3 semanas (quando usamos altas doses), mas pode também ser feito uma vez por semana se usadas doses baixas. A gemcitabina é feita uma vez por semana em ciclos que podem semanais contínuos, duas semanas com medicamento e uma sem ou 3 semanas com medicamento e uma sem.

Mesmo quando usamos medicamentos orais o conceito de ciclo de tratamento se aplica. O medicamento capecitabina é tomado por 14 dias, com uma pausa de 7 dias, isto corresponde a um ciclo de tratamento. O mesmo ocorre para tratamentos com sunitinib ou sorafenib.

O ciclo depende da doença que se está tratando e do esquema de quimioterapia utilizado.

O ciclo de tratamento depende do medicamento utilizado, da combinação de medicamentos escolhida e da doença que se está tratando.

Para outros medicamentos, como os que interferem com os hormônios, o conceito de ciclo de quimioterapia não se aplica. No tratamento do câncer de mama, por exemplo, não falamos em ciclos para o uso de tamoxifen, letrozol, anastrozol ou exemestano. Estes são medicamentos em comprimidos de uso contínuo, devem ser tomando diariamente por um período determinado, que pode variar de 5 a 10 anos.

Sempre que houver dúvida em relação ao tratamento, o recomendado é conversar com o seu médico e com a equipe médica com quem está se tratando. Conhecer os detalhes da doença e do esquema de medicamentos é muito importante para o sucesso do tratamento.

Gostou da matéria? Visite aqui nossa página no Facebook. Não esqueça de curtir a página para saber de todas as atualizações do blog! Compartilhe essa informação com alguém que possa estar precisando dela!

Deixe uma resposta